Pular para o conteúdo

O antigo Grupo Escolar “João Soares” (parte 1)

O primeiro prefeito de Caiçara, Antonio Florentino da Costa Miranda (“Tota Miranda”), empenhou-se em construir um suntuoso prédio escolar. Assim foi edificado o antigo Grupo Escolar “João Soares”. Embora o prédio fosse do município, o ensino era ministrado pelo Estado. Suas atividades tiveram início em 1912. Por indicação de Tota Miranda, o Prof. José Soares de Carvalho, foi nomeado seu primeiro diretor.

Esse antigo prédio localizava-se onde atualmente estão as primeiras casas a direita da escola João Alves de Carvalho.

O nome da escola rende homenagem ao prof. João Soares de Pinho, que passou a atuar como professor primário em Caiçara em 1878. O homenageado foi tio do citado diretor José Soares.

A escola ministrava o Curso Primário que durava seis anos, um primeiro, de alfabetização, depois mais quatro séries e por fim o 5º ano que era o Curso de Admissão, uma preparação para o Ginasial, pois para ingressar no ginásio o aluno se submetia a uma seleção, a prova de admissão. 

De início meninos e meninas estudavam em salas separadas. Depois as classes passaram a ser mistas, mas mesmo assim, na hora do recreio a separação se mantinha, havia um muro dividindo o espaço atrás da escola. Era usada a palmatória para manter a disciplina, tratava-se de uma tábua com a ponta arredondada, semelhante a uma colher, com a qual se batia na palma da mão do aluno para castigá-lo ela foi usada até por volta dos anos 1960. Além da palmatória havia outros castigos, como ficarem de joelhos sobre de grãos de milho, detido em um quartinho ou em pé no canto da sala de costas para a classe, castigo geralmente reservado aos meninos. Depois a disciplina tornou-se mais leve e os castigos se limitavam a privação do recreio ou escrever, repetidamente, no caderno ou no quadro-negro, frases prometendo comportar-se de forma disciplinada.

Naquela época era grande a dificuldade para frequentar a escola. Antes de 1956 não era servida a merenda. Não havia transporte escolar. Alguns alunos vinham montados em jumento e até mesmo em carneiro ou bode. A maioria, no entanto, vinha mesmo caminhando, alguns de longas distâncias. A aquisição do material e uniforme escolar não eram fáceis. Em algumas épocas o estado fornecia, em outras os alunos precisavam se virar. Muito diferente dos dias atuais, quando tudo é oferecido. Porém, os que estudaram no Grupo Escolar “João Soares” são unânimes em afirmar que o ensino era da melhor qualidade.

(CONTINUA)

Fontes: Livro Caiçara, caminhos de almocreves (Severino Ismael da Costa) e entrevistas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *